Como captar investimentos para startups em estágio inicial

Faça o dever de casa! Este é o primeiro passo que você deve ter em mente, antes mesmo de pensar em abordar um investidor-anjo e pedir investimento para a sua startup company.

“Fazer o dever de casa” significa estudar profundamente o seu projeto por diversos ângulos e não apenas observá-lo pela perspectiva que acha mais fácil e conveniente. Pergunte todos os porquês imagináveis, analise o comportamento dos usuários, o mercado, os competidores, como planeja a execução do negócio e tudo o que estiver relacionado ao seu projeto. Vire e revire a sua ideia e entenda se ela é realmente viável. Se em todas essas buscas não aparecerem novos porquês, é sinal que algo está errado.

Mesmo sendo o idealizador e, talvez, a pessoa capaz de executar, você não é o dono da verdade e, provavelmente, não conseguirá tocar a sua nova startup company sozinho. Encontre um co-founder que esteja disposto “a escalar o Monte Everest” com você, mesmo sabendo que a chance de chegar lá em cima é pequena, que não terão os recursos dos alpinistas profissionais e, nem de perto, a mesma experiência deles. Saiba que é preciso ter muita garra e que, se chegarem lá em cima, a vista recompensará todo o esforço.

Esse ou esses co-founders, citados acima, não podem ter aquele perfil de pessoa que concorda com tudo o que você diz e acha que você está sempre certo. É necessário muito questionamento. Questione os outros e seja questionado! Procure pessoas capacitadas, que complemente os seus pontos fracos e vice-versa. Opiniões divergentes, muitas vezes, chegam a resultados finais incríveis. Entenda que você precisará de sabedoria para lidar com as tomadas de decisões estratégicas. Tudo isso ainda falando da fase de estudo, aqui você ainda nem apresentou a sua ideia ao investidor.

Eu, por exemplo, já passei três meses estudando um projeto, o da Pronto Rush, antes de apresentá-lo ao meu primeiro investidor. Após um intenso trabalho de pesquisas junto com o meu co-founder, Davi Guedes Neves, fizemos a primeira apresentação e, em uma semana, conseguimos a primeira rodada de investimento. O que fizemos com o dinheiro em caixa para começar a empresa? Executamos o projeto? Não! Decidimos, primeiramente, contratar uma equipe de profissionais que nos auxiliou em mais dois meses de um estudo ainda mais intenso, conduzindo um processo de Service Design.

Smarthint
olist
Rakuten EXPO Inside
Ciclo Agência Digital – Inside

O que eu quero dizer é que com o dever de casa muito bem feito, quando chegar o momento de apresentar a sua ideia ao investidor, transmitirá a segurança necessária de quem entende do assunto – porque você realmente entende! Nas suas respostas cite fontes, referências, navegue pelos temas com a calma e a naturalidade de quem sabe o que está fazendo. E caso não tenha alguma resposta, não tem problema, desde que esteja preparado e não seja pego de surpresa. É muito diferente quando você responde com responsabilidade, informando que já chegou a mapear aquele assunto, mas que, no momento, não tem a resposta, destacando o motivo e expondo que mais pra frente, durante a execução do projeto, resolverá essa questão em aberto.

Resumidamente, esteja realmente preparado ao apresentar a sua ideia. A sua chance de reunião com o investidor é única. Se perdeu, perdeu. Se ganhou, ganhou. E a segunda opção é melhor, não é mesmo? Não é para isso que, nós empreendedores, estamos aqui?

Outro fator indispensável, antes de abordar um investidor, é saber claramente como será a sua nova companhia. Ela será incorporada no Brasil? Será uma empresa limitada ou uma sociedade anônima? E a estrutura corporativa? Todos esses fatores farão muita diferença na hora de abordá-lo. Um investidor experiente não será seu shareholder em uma empresa limitada e obrigará que você a transforme mais a frente em uma sociedade anônima para que ele seja acionista.

A estrutura corporativa ideal para uma empresa receber investimento e ter diversos acionistas é a sociedade anônima que citamos acima ou uma C-Corp, nos Estados Unidos, por exemplo. Ou seja, se o seu plano é fazer com que a startup company cresça e receba investimento-anjo, seed e, mais pra frente, continue recebendo outros investimentos, porque não começar da forma ideal? É claro que, para isso, é necessário muito mais experiência na administração, contabilidade e governança. Mas, se você realmente está procurando investimento sério, é uma estrutura corporativa séria que precisa criar e gerenciar. E prepare-se para isso!

Finalmente, saiba o que pedir e esteja disposto a negociar a fatia do bolo que ficará com o seu investidor. O ideal é nem muito e nem pouco. Para ter uma ideia do quanto pedir, você precisa ter uma visão clara de quais serão os seus custos operacionais, despesas e previsões de faturamento. Faça uma projeção financeira que contemple, no mínimo, 3 e, idealmente, 5 anos. Mais importante do que mostrar que você terá mil reais por mês com algum tipo de despesa, é saber porque gastará esse dinheiro. Com os números, você terá clareza para saber o que pedir. Faça de forma objetiva, por exemplo, é “isso” e não mais ou menos “isso”. Não esqueça de justificar também a necessidade desse valor em questão. Afinal, você fez o seu dever de casa e sabe porque precisa desse “X”, certo?

Quando chegar o momento de executar, você estará muito mais preparado e terá clareza de quais caminhos trilhar. E esse é apenas o começo. Arregace as mangas e boa sorte!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.