O analfabetismo de dados pode acabar com sua empresa

Com todos os objetos inteligentes e dispositivos mobile espalhados pelo nosso dia a dia, não é nenhum segredo dizer que o mundo trafega cada vez mais dados. Segundo informações da Cisco, apenas a internet brasileira deve superar a marca de 4,4 exabytes trafegados por mês – cada exabyte corresponde a 1 bilhão de gigabytes. Fazendo uma conta rápida, em 4,4 exabytes seria possível guardar cerca de 733 bilhões de fotos em alta resolução (com 6 MB cada).

À medida em que esse número cresce, a necessidade de análise desse montante de informações aumenta. Nesse contexto, o Gartner aponta que a receita global do mercado de BI e Analytics deve chegar a US$ 18,3 bilhões em 2017, um aumento de 7,3% comparado a 2016. Até o final de 2020, esse número deve chegar aos US$ 22,8 bilhões;

A grande questão é que investir em softwares e equipes de cientistas é apenas uma parte do processo. Uma parte bastante importante, mas que não resolve integralmente a necessidade de analisar todas as informações que chegam, muito menos aplicá-las ao dia a dia dos executivos de negócios em tempo hábil. Por isso, todos os colaboradores da empresa precisam ser alfabetizados e inseridos na cultura dos dados. Só quem conhece a própria operação e seu dia a dia saberá tirar o maior proveito possível das informações.

Smarthint
olist

A alfabetização em dados, nada mais é do que ser capaz de ler, trabalhar, analisar e argumentar com dados. As companhias precisam investir nessa alfabetização para melhorar sua gestão, controle e tomada de decisão. Dessa forma, todo o trabalho será baseado em informações concretas e confiáveis, não apenas em intuição ou análises parciais.

Dentro de uma empresa alfabetizada em dados, essa cultura deve permear todas as unidades de negócios, equipes, líderes e alta gestão – cada um com suas especificidades. A equipe de Vendas, por exemplo, não precisa saber como estão os estoques de Compras e Suprimentos e vice-versa. É preciso mais que um único time de analistas para compreender as necessidades específicas de cada área ou dar conta de desenvolver todas as análises necessárias. E aí torna-se imprescindível desenvolver o olhar analítico de todos os colaboradores. Dessa forma, cada área poderá avaliar e aproveitar os dados que lhe interessam da melhor forma possível.

O segredo para construir essa cultura de dados é, além de treinamentos, inserir no dia a dia dos colaboradores uma plataforma que os permita desenvolver suas próprias análises, de forma simples e sem a necessidade de conhecimentos técnicos. Ao colocar a mão na massa, o time começa a perceber o valor dos dados até que eles se tornem parte do dia a dia. Num mundo que, em breve, será totalmente movido a informação, ter um time “analfabeto” pode criar um grande distanciamento do novo e próximo futuro da economia analítica.

Marcelo Rezende
Marcelo Rezende é Country Manager da Qlik no Brasil.
  • Todos Fornecedores
  • Armazenamento
  • Consultoria
  • Entrega
  • Marketplace
  • Performance
  • Plataformas
    • Gestão de Anúncios
    • Atendimento ao Cliente
    • E-Mail Marketing
    • Sistema de ERP
    • Pagamento Online
    • Mídias Sociais
    • Plataforma de E-Commerce
    • Precificação Dinâmica
    • Vitrine Personalizada
  • Serviços
    • Escola Especializada
    • Logística
    • Agência Especializada
    • Redirecionamento de Encomendas
  • Soluções
 
Moovin
EZ Commerce
Rakuten
Bling
Accesstage
Mailbiz
LojaMestre
E-Goi
Neoassist
DLojavirtual
Dotstore
Ciashop
Seri.e Design
GhFly
E-Millennium
Bis2Bis
Bluefoot
F1soluções
Xtech Commerce
ComSchool
Brasil na Web
Nação Digital
Trezo
E-Commerce Logística
World Pay
Socialrocket
E-completo
Precode
IHouse Web
Smarthint
JET e-business
Ciclo
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.