O futuro do procurement é sustentável

Desenvolver uma cadeia de suprimentos pautada na sustentabilidade pode impulsionar o valor e o sucesso – tanto para os negócios, quanto para a sociedade.  Cada vez mais, consumidores, colaboradores, investidores e comunidades querem se conectar com empresas que “façam a diferença” e que contribuam para o bem-estar de funcionários, fornecedores e do meio ambiente.

Uma pesquisa da ISEAL Alliance realizada em 2017 apontou que as empresas que conquistaram certificados de sustentabilidade melhoraram seu acesso ao mercado, aumentaram seus lucros, reputação e reduziram custos e os riscos para fabricantes e varejistas. O estudo reforça que as pessoas buscam o que, na prática, se resume ao conceito de triple bottom line: pessoas, planeta e lucro.

Esse tripé da sustentabilidade prevê que o lucro deve ser apenas um dos objetivos de uma empresa e, embora o senso comum indique que o termo sustentabilidade se refira apenas ao uso sustentável de recursos naturais, ser sustentável compreende também as vertentes sociais e econômicas do universo empresarial.

As empresas enfatizam cada vez mais as ações de impacto social que englobam a diversidade e a inclusão nas práticas de contratação, seja de sua força de trabalho ou na contratação de fornecedores. E o procurement faz parte do processo pelo qual as organizações podem gerar valor, influenciando e desenvolvendo a cadeia em prol de uma lógica mais responsável para os negócios.

No entanto, enquanto algumas organizações se baseiam na nova economia (capitalismo consciente) e já se anteciparam em relação à nova cultura, outras ainda mantêm o preço, o nível de serviço e a qualidade como os únicos parâmetros para a escolha de fornecedores.

Governança + Colaboração = Sustentabilidade

Além dos riscos sociais e ambientais inerentes aos negócios, a governança é outro desafio para as cadeias de suprimentos. Quando falamos sobre e-procurement nas áreas de compras, as empresas entendem o que é requisição, cotação e pedido. Mas quando se fala em cadastro, avaliação, homologação e gestão de fornecedores e terceiros, ainda existe pouca referência sobre o assunto.

Smarthint
olist
Edrone
Performa.AI

gestão do risco , uma das estratégias voltadas ao desenvolvimento responsável de uma empresa, deve  envolver etapas desde o saneamento dos dados cadastrais dos parceiros até programas de melhorias e inovação, contemplando também a avaliação da reputação de fornecedores e seus executivos.  

Aspectos como habilitação jurídica, verificação de regularidades fiscais e trabalhistas, qualificação técnica-operacional, análise financeira e práticas de sustentabilidade, também devem ser levados em conta na gestão dos fornecedores. Tais quesitos precisam ser monitorados constantemente, não apenas na hora de assinar um contrato.

Outro fator que reflete na capacidade de inovação conjunta é a baixa confiança entre compradores e fornecedores. E isso é notado na maioria das cadeias de suprimentos, onde 90% dos relacionamentos ainda são transacionais. É prática comum que grandes fabricantes ou varejistas pressionem seus fornecedores a reduzir custos, mas isso está começando a mudar, com a colaboração se destacando como um ativo corporativo.

Por envolver um maior grau de engajamento entre as partes de uma cadeia de suprimentos, muitas empresas adotaram uma interpretação própria de compras sustentáveis e desenvolveram ferramentas e técnicas para apoiar esse engajamento e colaboração, criando programas de melhorias e inovação.

Não há dúvida de que um relacionamento estreito dá mais trabalho. Mas também compensa. Uma aliança entre comprador e fornecedor é capaz de garantir a sobrevivência das empresas em períodos de recessão, graças às políticas de redução de riscos e incertezas do ambiente.

E é nesse sentido que a automação ajuda: quebrando barreiras, otimizando processos, reduzindo custos operacionais, monitorando efetivamente os riscos e o compliance e promovendo a maior colaboração com fornecedores, questão crucial, já que em breve as pessoas irão enxergar em uma empresa as outras empresas que fazem parte de sua trajetória.

Avatar
Marcelo Pereira é diretor da área de Gestão de Fornecedores do Mercado Eletrônico.
  • Todos Fornecedores
  • Armazenamento
  • Consultoria
  • Entrega
  • Marketplace
  • Performance
  • Plataformas
    • Gestão de Anúncios
    • Atendimento ao Cliente
    • E-Mail Marketing
    • Sistema de ERP
    • Pagamento Online
    • Mídias Sociais
    • Plataforma de E-Commerce
    • Precificação Dinâmica
    • Vitrine Personalizada
  • Serviços
    • Escola Especializada
    • Logística
    • Agência Especializada
    • Redirecionamento de Encomendas
  • Soluções
 
Moovin
EZ Commerce
Rakuten
Bling
Accesstage
Mailbiz
LojaMestre
Neoassist
DLojavirtual
Dotstore
Seri.e Design
GhFly
E-Millennium
Bis2Bis
Bluefoot
F1soluções
Xtech Commerce
ComSchool
Brasil na Web
Nação Digital
E-Commerce Logística
Socialrocket
Precode
Smarthint
JET e-business
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.