Como as startups estão transformando o varejo?

No mundo todo, os consumidores se sentem cada vez mais seguros (e interessados) em comprar na internet. No Brasil, levantamento da Price Waterhouse Coopers mostra que 41% da população já faz compras pelo celular.

A digitalização, sem dúvida, chegou para ficar.  Se não significou a morte das lojas físicas, forçou um grande reordenamento. Quem não se adequou à nova realidade, definitivamente, acabou ficando para trás. E, assim, como ocorreu em outros setores da economia, também o varejo foi profundamente impactado pelas startups. As empresas “novatas” no mercado estão ajudando a mudar a cara das lojas do novo milênio, e diminuindo a distância entre os estabelecimentos físicos e os virtuais.

Edrone
olist
Smarthint
Performa.AI

Essa transformação capitaneada se dá de diversas formas. As startups podem atuar em praticamente todos os pontos da cadeia: criando programas de descontos que ajudem empresários a reduzir os estoques; gerindo programas de fidelidade que aumentem o engajamento com a marca; ferramentas de análise inteligente de estoques, plataformas de atendimento omnichannel que integram todos os canais on e off-line de atendimento, aplicativos que aprimoram o trabalho das equipes. Nos EUA, existem startups revolucionando cada um desses segmentos.

Esse movimento também é forte em nosso país. No início do ano, o estudo Loja 4.0: Panorama das startups brasileiras do varejo apontou que, entre maio de 2017 e março de 2018, o total de startups voltadas para aprimorar o relacionamento das lojas com seus consumidores saltou de 115 para 194. A gama de soluções ofertadas por elas é diversa: desde soluções de inteligência artificial para gestão de chatbots até terminais inteligentes para retiradas de produtos e sistemas de coleta de feedback em tempo real.

O uso mais intenso da tecnologia traz inúmeras facilidades para o cliente, e ajuda a estabelecer um ambiente de compras mais agradável. Todos os segmentos do varejo podem se beneficiar dessas possibilidades. Empresas online e offline terão de remodelar suas atividades para oferecer uma nova experiência e integrar as soluções oferecidas pelas startups, caso ainda quiserem permanecer relevantes nesse jogo.

Carlos Alves
Carlos Alves é Carlos Alves é Diretor de Marketplace da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) e Head de E-Commerce na Riachuelo, sendo um dos precursores dos shoppings virtuais no país e o primeiro lojista a integrar em uma mesma plataforma todos grandes players nacionais.
  • Todos Fornecedores
  • Armazenamento
  • Consultoria
  • Entrega
  • Marketplace
  • Performance
  • Plataformas
    • Gestão de Anúncios
    • Atendimento ao Cliente
    • E-Mail Marketing
    • Sistema de ERP
    • Pagamento Online
    • Mídias Sociais
    • Plataforma de E-Commerce
    • Precificação Dinâmica
    • Vitrine Personalizada
  • Serviços
    • Escola Especializada
    • Logística
    • Agência Especializada
    • Redirecionamento de Encomendas
  • Soluções
 
Moovin
EZ Commerce
Rakuten
Bling
Accesstage
Mailbiz
LojaMestre
Neoassist
DLojavirtual
Dotstore
Seri.e Design
GhFly
E-Millennium
Bis2Bis
Bluefoot
F1soluções
Xtech Commerce
ComSchool
Brasil na Web
Nação Digital
E-Commerce Logística
Socialrocket
Precode
Smarthint
JET e-business
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.